Publicidade

Protesto de taxistas elege prostituta vereadora no AM



Folha de S.Paulo - Fabiano Maisonnave

Uma das principais notícias do ano em todo o mundo, a insurreição dos eleitores contra a política tradicional, sacudiu também a pequena cidade de Manacapuru (99 km de Manaus), onde a prostituta Francisca da Silva, a Coroca, fez história ao se eleger vereadora.

A candidatura de protesto partiu de taxistas e mototaxistas do movimentado cais do porto. Há anos, Coroca faz ponto ali entre bares e camelôs que também se aproveitam do vaivém de estivadores e viajantes.

A cidade de 95 mil habitantes vive um clima de sublevação contra o atual prefeito, Jaziel Tororó (PMDB), e a Câmara, onde ele tem maioria. Em outubro, ele ficou em terceiro lugar (24% dos votos), e apenas 2 dos 15 vereadores se reelegeram.

Em 16 de novembro, dezenas de funcionários municipais da saúde com salários atrasados jogaram tinta nas paredes de prédios públicos, incluindo a Câmara e a Prefeitura, e lançaram sacos de lixo na casa do prefeito. Atualmente, o principal hospital da cidade só atende casos de emergência.

A cidade amarga o 5.075° lugar (de 5.281 prefeituras) no Ranking de Eficiência Dos Municípios da Folha (REM-F). Pelas ruas, a sujeira acumulada pela paralisação da coleta de lixo e o esgoto a céu aberto são a parte mais visível da má administração.

"Aqui era a Princesinha do Solimões, vê se agora dá pra dizer isso?", diz o taxista Valdemir Santana, citando a alcunha da cidade.

Santana, que trabalha no cais, é um dos idealizadores da candidatura, surgida em tom de brincadeira em conversa sobre a política local.

Convencida a se candidatar, Coroca contou com o apoio também de feirantes e comerciantes.

O único material de campanha foi um santinho onde ela aparece maquiada e vestida com uma sóbria roupa preta ao lado dos dizeres: "Por insatisfação e revolta vote...!!! Coroca".

O resultado surpreendeu até os mais otimistas. Ela ficou em quarto lugar, com 1.122 votos (2,2% dos votos válidos), a apenas 334 votos do primeiro colocado. Um êxito para uma campanha com custo declarado de R$ 155.

A vitória tem sido uma reviravolta na vida de Coroca —o apelido vem do antigo hábito de se vestir de preto, a cor do pássaro que lhe empresta o nome.

Com problema de alcoolismo, ela se prostitui desde os 11 anos. No cais, um programa pode custar R$ 10.

Mora com os pais e os três filhos, de idades entre 6 e 10 anos, em um casebre de paredes de madeira e teto de zinco.

Desde a eleição, Coroca ganhou status de celebridade local —é recebida com sorrisos e costuma ser chamada de "minha vereadora".

A partir da semana que vem, terá salário de R$ 7.800, verba de gabinete de R$ 3.500 e ainda poderá nomear até quatro funcionários.

Leia na íntegra clicando aqui