Publicidade

Governador diz que não haverá novas bolsas do Proupe

Do JC online - Foto: Rafael Diniz

Estudantes do interior do Estado não contarão com novas bolsas do Programa Universidade para Todos (Proupe), iniciativa do governo estadual que concede bolsas de estudos em graduações oferecidas nas 13 autarquias municipais. O governador Paulo Câmara afirmou, ontem à tarde, que não tem dinheiro para dar continuidade à iniciativa, criada em 2011 pelo então governador Eduardo Campos. Mas garantiu que vai regularizar o repasse dos recursos e que os atuais bolsistas não serão prejudicados. As parcelas de outubro e novembro ainda não foram pagas, o que está deixando diretores das faculdades preocupados. A de dezembro vence na próxima semana.

“Nós estamos regularizando os pagamentos. As autarquias não vão parar. Eu garanto aos alunos que estão matriculados que eles vão ter suas aulas. O que a gente não tem condições é abrir novas vagas. Não dá. Infelizmente não temos orçamento para isso. Mas os pagamentos, sim, vão ser feitos”, assegurou Paulo Câmara, no Centro de Convenções, em Olinda, durante diplomação dos prefeitos de Recife (Geraldo Julio), Olinda (Professor Lupércio) e Jaboatão (Anderson Ferreira). Ele não disse, entretanto, quando fará o pagamento.

A notícia surpreendeu o presidente da Associação das Instituições de Ensino Superior do Estado de Pernambuco (Assiespe), Rinaldo Remígio. Ele e diretores de seis das 13 autarquias existentes no Estado estiveram ontem no Recife para tentar falar com o governador a fim de saber quando as entidades receberão as parcelas de outubro e novembro. Voltaram para o interior sem nenhuma resposta. A dívida do Estado soma R$ 2.391.780.

“A informação de que não haverá novas bolsas do Proupe nos traz uma grande preocupação porque vai frustrar o ingresso de novos alunos do interior no ensino superior. Muitos fazem o vestibular sonhando com a gratuidade ou com uma bolsa do programa do governo estadual para ajudar no pagamento das mensalidades”, afirmou Rinaldo. “Agora os alunos terão que buscar recursos próprios se quiserem fazer faculdade”, destacou Rinaldo.

Os diretores das autarquias estão apreensivos porque têm que pagar hoje a segunda parcela do 13º salário a funcionários e docentes. “O salário de novembro não foi pago a todos os professores. Não tivemos dinheiro para a primeira parcela do 13º e não teremos novamente para a segunda se o governo não pagar o que deve do Proupe”, contou a diretora pedagógica da Autarquia Educacional de Belo Jardim, Luzia Squinca. A faculdade tem cerca de 800 estudantes bolsistas do programa.

Em todo o Estado, o Proupe contempla cerca de 7.500 estudantes, a maioria alunos de licenciaturas e de baixa renda. As bolsas são de R$ 95 e R$ 135. Desde o ano passado as autarquias vêm tendo dificuldades de pagar pessoal e prestadores de serviços por causa dos atrasos do governo estadual.