Publicidade

Microcefalia: Comissão Especial na Alepe recebe secretário de Saúde do Recife



Recife é a cidade com maior número de casos da doença no País Foto: João Bita

A Comissão Especial de Acompanhamento aos Casos de Microcefalia no Estado, a convite da sua presidente, deputada Socorro Pimentel (PSL), recebeu ontem (28), na Assembleia Legislativa, o secretário de Saúde do Recife, Jaílson Correia. O Recife está no centro das atenções quando se trata de microcefalia. É o município com maior número de casos da doença no País – desde outubro de 2015, foram 299 notificações e 47 confirmações. A causa do surto seria a contaminação pelo zika vírus, uma das três arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, junto com a dengue e a chikungunya.

De acordo com o secretário, 49 dos casos notificados como sendo dessa condição neurológica já foram descartados. “Observamos uma queda progressiva nas últimas semanas, mas precisamos manter um trabalho mais intenso de prevenção nestes meses de maior circulação do vírus, para reduzir as ocorrências no segundo semestre”, explicou o gestor. Desde o final do ano passado, foi decretado estado de emergência no município devido às doenças que têm o Aedes aegypti como vetor.

Enquanto exames laboratoriais são realizados para confirmar os casos, segundo Jaílson, a secretaria municipal de Saúde adota ações para dar apoio às famílias de crianças com microcefalia. Entre elas está o acolhimento nos espaços Mãe Coruja, a assistência ao pré-natal e parto humanizado no Hospital da Mulher do Recife e a oferta de ambulatórios multiprofissionais focados no estímulo cognitivo e psicomotor das crianças. “Também disponibilizamos um serviço de teleconsultoria em neuropediatria, infectologia e reumatologia, justamente para evitar a superlotação das emergências”, acrescentou Correia.

A presidente da Comissão Especial, a deputada Socorro Pimentel (PSL), ressaltou o necessário protagonismo dos municípios no enfrentamento das arboviroses. “Os gestores municipais cuidam da atenção básica segundo as normas do Sistema Único de Saúde (SUS), por isso é tão importante ouvi-los”, avalia. Segundo a parlamentar, uma nova audiência pública será realizada no dia 13 de abril, dessa vez com a presença das mães de crianças com microcefalia, e os trabalhos do colegiado seguirão até julho.