Publicidade

No lugar de Alexandre, Valmir não faria UPA



Por Revista Geral - Foto: Rafael Diniz

A construção da Unidade de Pronto Atendimento(UPA) em Araripina, que deveria ter sido entregue em junho de 2015, não é a solução adequada para ampliar e melhorar o sistema de saúde no município. É o que avalia o vice-prefeito de Araripina e pré-candidato a chefe municipal, pelo PMDB, Valmir Filho. Ele estipula que a prefeitura deverá aplicar, quando pronta, na unidade de saúde cerca de 500 mil reais por mês. Esse valor seria necessário para cobrir despesas com atendimento, pagamento de médicos, enfermeiros, compra de medicamentos e materiais clínicos. A declaração foi feita em entrevista à rádio Grande Serra, na manhã desta sexta-feira(22). 

No início da semana, questionado em uma reportagem da TV Globo sobre o atraso na conclusão da UPA, o prefeito de Araripina, Alexandre Arraes(PSB), ampliou o prazo de entrega da unidade para o próximo mês junho. Para Valmir Filho, a UPA não ficará pronta até a data redefinida pelo prefeito. 

Numa hipótese, o peemedebista afirma que, caso fosse o atual prefeito de Araripina, não construiria uma UPA. "Eu faria um grande convênio com o governo do estado," opinou, explicando que faria parceria entre Estado e Município para injetar recursos financeiros no hospitais Santa Maria(filantrópico) e São José(unidade particular), ambos em Araripina. 

Segundo Valmir Filho, a Unidade de Pronto Atendimento do município de Ouricuri, a 65 km de Araripina, está concluída, porém, por falta de recurso financeiro permanece sem oferecer atendimento médico à população. "As UPA's em vários lugares estão parando, por má administração. A unidade de Ouricuri está pronta, porém, está fechada, até os móveis foram retirados de lá," revela.